Beatriz Jardinha

Beatriz Jardinha cria joias à mão num processo livre, criativo e muito pessoal.

Texto: Mariana Abreu Garcia

Beatriz Jardinha é o nome da joalheira, o nome das jóias por ela criadas – mas não o nome de uma marca. A marca, no verdadeiro sentido da palavra, não existe. Não há coleções nem um enorme stock, não há outros colaboradores nem objetivos a cumprir. Beatriz move-se por aquilo que lhe traz felicidade – e neste momento o seu lugar é entre as jóias que cria.

A história desta não-marca começa na Índia, onde Beatriz mergulhou durante seis meses no universo da joalharia, contactando com técnicas de ourivesaria e filigrana. Foi a sua escola. “Aprendi o que sei sentada no chão, num ambiente descontraído e sem linguagens técnicas. Não tinha que saber as regras para fazer determinada coisa: pelo contrário, tinha que olhar para uma peça e fazer a minha leitura de como chegar lá.” E foi assim, num processo livre e criativo, que Beatriz começou a desenhar e produzir as suas jóias, partilhadas com o mundo através de uma página de Instagram – que ainda hoje é a sua página pessoal. O passa-a-palavra ganhou dimensão e, no verão de 2020, nasce o site. Nunca a marca.

Desde então que Beatriz vai frequentando uma oficina de ourives na baixa de Lisboa, onde aprende entre mestres, mas é no seu ateliê, perto do Parque Eduardo VII, que mais põe as mãos na massa. O trabalho de produção é muito manual, “é puro e duro”. Utiliza serras, limas, martelos e o fogo em materiais como prata e ouro, usando também pedras naturais como a concha e a madre pérola.

Os elementos que usa refletem as muitas viagens que fez e “as auras mais místicas” das pessoas que foi conhecendo pelo caminho. E apesar da inspiração da joalheira ser o simbolismo de cada peça, a ideia de Beatriz não é fechar as jóias nos significados que lhes atribui. É antes ver em símbolos o poder de transmitir a cada pessoa uma mensagem diferente: a que cada uma delas quiser receber em determinado momento.
A peça mais requisitada é o Mina necklace mas as preferidas de Beatriz são as de maiores dimensões. “Têm mais informação e permitem-me dar mais de mim em termos criativos e na própria produção.”

Mais Vistos

Sair

Norte

Casa no Castanheiro

Debaixo de um castanheiro centenário nasceu um refúgio desenhado pelo arquiteto João Mendes Ribeiro.

Agendar estadia

Ficar

Solo Ceramic

Chávena de café Terracota

Para sentir a textura deste material tão português, o barro é vidrado apenas onde é necessário.

Comprar a partir de 8€

Sair

Alentejo

Open House

Dos mesmos donos das Casas Caiadas, a Open House fica em pleno centro histórico de Arraiolos.

Agendar estadia

Vestir

Yako & Co

Avental de jardinagem

Mais um motivo para arranjar um jardim e poder usar este avental vegan.

Comprar por 55€

Etc.

Mauvais Marie

Bananas de alfazema

Sacos de alfazema que Andy Warhol aprovaria, para perfumar o roupeiro e as gavetas.

Comprar a partir de 14€

Ficar

Ramos Cerâmica

Vasinho de brinco

Numa produção exclusiva e limitada Ramos Cerâmica x The Collection, nasce este vaso com brincos e textura de pedra.

Comprar por 35€

Sair

Norte

Monverde Wine Experience

O primeiro hotel vínico na região dos Vinhos Verdes impõe-se pelas janelas rasgadas e a decoração minimalista.

Agendar estadia

Ficar

Paulo Tuna, The Bladesmith

Faca tradicional

Faca tradicional, feita à mão por Paulo Tuna, numa produção exclusiva para o The Collection.

Comprar a partir de 180€

Sair

Alentejo

Casas Caiadas

A partir das ruínas de um moinho, as Casas Caiadas receberam o prémio Most Tasteful Renovation da revista Monocle.

Agendar estadia

Ler

Revista

Na casa de Manuel Aires Mateus

Um dos principais arquitetos portugueses mostra a casa onde vive.

Ler artigo

Sair

Alentejo

Paraíso Escondido

Graças aos bungalows, é possível dormir no meio das árvores. E descobrir África na costa alentejana.

Agendar estadia

Sair

Alentejo

Villa Extramuros

À casa de arquitetura contemporânea, com um grande pátio central, juntam-se duas cabanas de cortiça.

Agendar estadia

Cesto de Compras