Grauº Cerâmica

A marca saiu do forno em plena pandemia mas as suas máscaras e acessórios não são nada descartáveis.

Texto: Maria Ramos Silva

A marca saiu do forno em março de 2020, quando o mundo se viu obrigado a parar e a ficar em casa por causa da pandemia Covid-19. “Fomos confrontados com a oportunidade de podermos ter tempo para fazer algo que realmente nos traz prazer”, recordam Isac Coimbra e Diogo Ferreira, a dupla por trás da GRAUº. “Pareceu-nos o momento ideal para concretizar a nossa visão e, no meio da incerteza toda, afastámo-nos dos nossos empregos e decidimos dedicar toda a nossa energia a uma marca própria de cerâmica.”

Isac era arquiteto numa empresa de construção civil, Diogo dedicava-se à direção criativa na área do design gráfico. Até que uma ocupação a tempo parcial, que começou por funcionar como escape, tornou-se um aliciante plano de futuro. “O contacto com o barro surgiu, inicialmente, de uma necessidade básica de expressão criativa, sendo algo que fazíamos como hobbie”, explicam.

O confinamento revelou-se um precioso combustível: “Foi uma oportunidade de nos reinventarmos. A liberdade restritiva que todos experimentámos transformou-se na maior liberdade que podemos ter dentro de casa: a criativa. Pôr a mão na massa foi literalmente o melhor remédio”.

No estúdio improvisado nasceram as primeiras peças de espírito tribal, incluindo as máscaras, nada descartáveis, de pendurar na parede. “A simplicidade e pureza dos materiais e das formas é algo que nos atrai”, dizem. Uma estética minimalista e geométrica que se vê também nos mobiles e outros artigos para o lar, como os vasos, os jarros, as fruteiras e restantes acessórios de mesa. Comum a cada peça é a mistura de pastas refratárias de diferentes tons, entre preto, terracota e branco, com e sem vidrados, e com complementos em juta e corda. Escusado será dizer que cada elemento é confecionado à mão, desde a amassadura inicial, até à cozedura final. E por falar em graus, as peças são cozidas a temperaturas que rondam os 1300ºC, tornando-se impermeáveis e extremamente resistentes.

Mais Vistos

Sair

Norte

Casa no Castanheiro

Debaixo de um castanheiro centenário nasceu um refúgio desenhado pelo arquiteto João Mendes Ribeiro.

Agendar estadia

Ficar

Solo Ceramic

Chávena de café Terracota

Para sentir a textura deste material tão português, o barro é vidrado apenas onde é necessário.

Comprar a partir de 8€

Vestir

Yako & Co

Avental de jardinagem

Mais um motivo para arranjar um jardim e poder usar este avental vegan.

Comprar por 55€

Sair

Alentejo

Open House

Dos mesmos donos das Casas Caiadas, a Open House fica em pleno centro histórico de Arraiolos.

Agendar estadia

Etc.

Mauvais Marie

Bananas de alfazema

Sacos de alfazema que Andy Warhol aprovaria, para perfumar o roupeiro e as gavetas.

Comprar a partir de 14€

Ficar

Ramos Cerâmica

Vasinho de brinco

Numa produção exclusiva e limitada Ramos Cerâmica x The Collection, nasce este vaso com brincos e textura de pedra.

Comprar por 35€

Sair

Norte

Monverde Wine Experience

O primeiro hotel vínico na região dos Vinhos Verdes impõe-se pelas janelas rasgadas e a decoração minimalista.

Agendar estadia

Ficar

Paulo Tuna, The Bladesmith

Faca tradicional

Faca tradicional, feita à mão por Paulo Tuna, numa produção exclusiva para o The Collection.

Comprar a partir de 180€

Sair

Alentejo

Casas Caiadas

A partir das ruínas de um moinho, as Casas Caiadas receberam o prémio Most Tasteful Renovation da revista Monocle.

Agendar estadia

Ler

Revista

Na casa de Manuel Aires Mateus

Um dos principais arquitetos portugueses mostra a casa onde vive.

Ler artigo

Sair

Alentejo

Paraíso Escondido

Graças aos bungalows, é possível dormir no meio das árvores. E descobrir África na costa alentejana.

Agendar estadia

Sair

Alentejo

Villa Extramuros

À casa de arquitetura contemporânea, com um grande pátio central, juntam-se duas cabanas de cortiça.

Agendar estadia

Cesto de Compras