Grauº Cerâmica

A marca saiu do forno em plena pandemia mas as suas máscaras e acessórios não são nada descartáveis.

Texto: Maria Ramos Silva

A marca saiu do forno em março de 2020, quando o mundo se viu obrigado a parar e a ficar em casa por causa da pandemia Covid-19. “Fomos confrontados com a oportunidade de podermos ter tempo para fazer algo que realmente nos traz prazer”, recordam Isac Coimbra e Diogo Ferreira, a dupla por trás da GRAUº. “Pareceu-nos o momento ideal para concretizar a nossa visão e, no meio da incerteza toda, afastámo-nos dos nossos empregos e decidimos dedicar toda a nossa energia a uma marca própria de cerâmica.”

Isac era arquiteto numa empresa de construção civil, Diogo dedicava-se à direção criativa na área do design gráfico. Até que uma ocupação a tempo parcial, que começou por funcionar como escape, tornou-se um aliciante plano de futuro. “O contacto com o barro surgiu, inicialmente, de uma necessidade básica de expressão criativa, sendo algo que fazíamos como hobbie”, explicam.

O confinamento revelou-se um precioso combustível: “Foi uma oportunidade de nos reinventarmos. A liberdade restritiva que todos experimentámos transformou-se na maior liberdade que podemos ter dentro de casa: a criativa. Pôr a mão na massa foi literalmente o melhor remédio”.

No estúdio improvisado nasceram as primeiras peças de espírito tribal, incluindo as máscaras, nada descartáveis, de pendurar na parede. “A simplicidade e pureza dos materiais e das formas é algo que nos atrai”, dizem. Uma estética minimalista e geométrica que se vê também nos mobiles e outros artigos para o lar, como os vasos, os jarros, as fruteiras e restantes acessórios de mesa. Comum a cada peça é a mistura de pastas refratárias de diferentes tons, entre preto, terracota e branco, com e sem vidrados, e com complementos em juta e corda. Escusado será dizer que cada elemento é confecionado à mão, desde a amassadura inicial, até à cozedura final. E por falar em graus, as peças são cozidas a temperaturas que rondam os 1300ºC, tornando-se impermeáveis e extremamente resistentes.

Mais Vistos

Ler

Revista

A história do Barca Velha

Nasceu no Douro em 1952 e atingiu um estatuto mítico entre os vinhos portugueses.

Ler artigo

Ler

Revista

Na casa de Manuel Aires Mateus

Um dos principais arquitetos portugueses mostra a casa onde vive.

Ler artigo

Sair

Norte

Casa no Castanheiro

Debaixo de um castanheiro centenário nasceu um refúgio desenhado pelo arquiteto João Mendes Ribeiro.

Agendar estadia

Ler

Revista

Subscrição Observador Lifestyle

Subscreva durante 1 ano a revista Observador Lifestyle ou surpreenda alguém com esta oferta.

Subscrever revista

Inusitado

Saudade

Saudade is a limited collection that contains the most transversal feeling present in this moment. a notebook with a removable interior that is born from the paper scraps from the atelier.

Comprar por 7€

Comer

The Therapist

Granola salgada

Perfeitas para sopas e saladas, estas granolas de origem biológica ajudam numa alimentação saudável.

Comprar por 6,90€

Ler

Revista

Casa na Montanha

Uma "cabana confortável" desenhada pelo arquiteto Luís Tavares Pereira para se fundir com a paisagem do Gerês.

Ler artigo

Sair

Açores

Sul Villas

Virado a sul, o hotel de Rodrigo Herédia tem uma exposição solar privilegiada. E a vista...

Agendar estadia

Sair

Algarve

Conversas de Alpendre

Para além das 9 suítes, é possível dormir numa cabana de luxo e até numa casa na árvore.

Agendar estadia

Sair

Alentejo

Casa na Terra

Semi-enterrada e coberta de vegetação, a Casa na Terra foi desenhada por Manuel Aires Mateus.

Agendar estadia

Ficar

mishmash

The Notebook

Um caderno premium com quatro ou cinco separadores, perfeito para a organização do dia-a-dia.

Comprar a partir de 20€

Sair

Alentejo

São Lourenço do Barrocal

Foi uma das herdades mais prósperas do Alentejo e desde 2016 é um dos hotéis mais premiados de Portugal.

Agendar estadia

Cesto de Compras